10 fatos que eu deveria saber antes de chegar em Paris


10 fatos que eu deveria saber antes de chegar à Paris.

Perrengues: todos nós colecionamos um bocado deles! E apesar deles resultarem em boas risadas dentro de alguns anos, o melhor que temos a fazer é evitá-los a qualquer custo. Pois bem, como intercambista de segunda viagem que nunca esteve em Paris e muito menos na Europa, posso dizer que passei por poucas e boas em 2013, quando desembarquei no aeroporto Charles de Gaulle. Agora que moro na capital francesa há um bom tempo, venho compartilhar com vocês 10 fatos que eu deveria saber na minha primeira chegada à Paris.

Tu vs. Vous

Nas minhas aulas de francês no Brasil, esqueceram de me avisar a importante diferença entre tu e vous. No Brasil, sempre nos dirigimos ao próximo usando ‘você’ ou no máximo um ‘senhor (a)’. Aqui existe uma enorme barreira entre o ato de tutoyer (chamar alguém de tu) e de vouvoyer (chamar alguém de vous). Para resumir, tu é para brother, amigos e família. Vous é para tudo que não está incluso no tu, como professores, desconhecidos, companheiros de viagem de elevador (mesmo se ele tenha a sua idade). O engraçado é que na faculdade, podemos tutoyer todos os nossos colegas, mesmo os que não conhecemos. Isso tudo é uma confusão!

É muito importante levar isso em conta, porque o tu quando dito a um desconhecido pode ser interpretado como algo ofensivo. Mas se a conversa está tranquila e você sente uma certa informalidade no ar, você pode perguntar se pode tutoyer a pessoa.

Não pode tocar!

Assim como a maneira com a qual nos dirigimos ao próximo, o toque é super importante. Até hoje não perdi o hábito brasileiro de encostar no ombro das pessoas ao comprimentá-las com um beijo na bochecha, os parisienses acham isso super estranho. Por isso recomendo: keep it simple! Dois beijinhos na bochecha e nada mais.

O mercado fecha no domingo e no feriado

Cheguei em Paris em um final de semana prolongado com a minha amiga Anna Laura do blog Carpe Mundi. Entre diversas tentativas de ida ao Carrefour, descobrimos que os comércios (a maioria deles) não abrem aos domingos, MUITO menos nos feriados. Resultado? Muitos restaurantes e deliveries de pizza nos nossos primeiros dias no apartamento.

Mínimo cartão de crédito

Nada mais triste do que escolher aquele sanduíche delicioso da padaria e não poder levar para casa porque o valor mínimo de pagamento com valor de crédito é 8 ou 5 euros. Para evitar voltar pra casa de mãos vazias ou ainda comprar coisas que não precisa só para alcançar o mínimo exigido, tenha sempre dinheiro no bolso.

Guarde o bilhete do metrô

Nunca, jamais jogue fora o seu ticket de metrô antes de deixar a estação. Tem fiscalização frequentemente e eles estão prontos para ‘pegar as vítimas’ escondidinhos em uma curva onde não tem outra saída.

No Brasil estamos acostumados a comprar o bilhete e depositá-lo na catraca. Pois aqui é diferente, o bilhete é uma prova que você pagou para estar ali, afinal ninguém vigia as catracas em Paris como fazem em São Paulo

Tem ônibus noturno

São 3h da manhã, você quer sair da balada e voltar pra casa, mas não quer pagar uma fortuna no táxi, nem no Uber, muito menos esperar a abertura do metrô às 5h30. A melhor solução são os ônibus noturnos. Entretanto, eles não são muito aconselháveis para mulheres sozinhas, prefira pegar o ônibus em grupo ou ao menos acompanhada.

Baixe o o aplicativo do RATP

Complementando a dica acima, você pode usar o aplicativo da RATP (rede de transportes públicos de Paris) para ter acesso aos pontos de ônibus e estações mais próximas. Além disso, esse app faz itinerários e mantém você informado caso haja problema em alguma linha.

Tem que comer beignet!

Essa foi uma descoberta recente, mas vá à uma padaria e compre um beignet com creme de chocolate. Me agradeça depois 😉

Épicerie é a salvação

É domingo e acabou o papel higiênico. Não entre em pânico! Provavelmente perto do seu apartamento tem uma épicerie – uma pequena mercearia que fica aberta praticamente 24 horas e vende todos os produtos essenciais (e outros nem tanto) para a sobrevivência de um ser humano que não teve tempo de ir ao mercado.

Mas atenção! Não abuse das épiceries, já que elas costumam ser bem mais caras que os mercados normais.

Tenha um abridor de garrafas como chaveiro

Essa dica eu não sigo porque eu não bebo, mas se você gosta de sentar na beira do rio Sena ou do canal St. Martin para tomar um vinho ou uma cerveja com os amigos, seja aquele que resolve os problemas e tenha um abridor de garrafas como chaveiro, já que os mercados e algumas épiceries não abrem a garrafa para você. Pode parecer coisa de bêbado, mas vai te poupar muitas caminhadas por aí implorando para que abram sua garrafa.

Essas são os fatos! Se você já veio à Paris, qual outro fato você gostaria de acrescentar na nossa lista? Se você está planejando a sua viagem, não hesite em deixar suas dúvidas nos comentários que eu responderei rápidinho!

Bisous!

1 comentário Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s